17/02/2017

Tartelete de Banana e Caramelo



Desde que fui mãe novamente que o tempo se escapa sem eu dar conta. Tenho tido sérias dificuldades em preparar receitas que levem mais que 15-20 minutos seguidos. Tenho saudades de fazer um bolo mais trabalhado, de camadas por exemplo ou uma sobremesa mais elaborada. Aliás, tenho saudades de fazer doces. Tive diabetes gestacional e acabei por ficar com alguns hábitos dessa fase difícil. Como sou lambareira, um deles foi precisamente fazer menos bolos e sobremesas para reduzir o consumo de açúcar, diminuir a quantidade de pão e hidratos de carbono assim como a quantidade de gordura. Basicamente, deixar de comer as coisas boas, pelo menos com as receitas tradicionais que conhecia…

12/02/2017

Ementa semanal








Tenho um organizador para mães que precisam de 30 horas. Eheh, é esse o nome do bloco super giro que uso para anotar a ementa semanal (é da Mr. Wonderful). Entre outros pormenores, tem no cantinho superior direito um espaço para escrever O Objetivo da semana. E o meu é: Voltar a fazer iogurtes em casa. 

08/02/2017

Carbonara de salmão e atum {E uma salva de palmas à Avó Lurdes pelos seus 92}

Cuidado, ela deve estar louca!! Escreveu dois posts seguidos!!!! 
 
O senhor cá de casa adora massas. E no fim de semana, quando eu ia fazer a ementa semanal, queixou-se que eu faço massas muito poucas vezes. Principalmente massas como ele gosta. Confesso que como escolho muitas receitas de forno para os jantares de semana, acabo por preparar mais facilmente um arroz e deixá-lo a terminar de cozer junto do assado. 
A hora de deitar da Maria é pelas 19h, antes o banho e o jantar não me deixam muito tempo para estar às voltas com os tachos. Por isso, ou deixo o jantar quase feito ou mesmo feito, ou escolho comida de forno que pode ficar a fazer enquanto estou ocupada com ela. 
As massas, apesar de serem normalmente rápidas de preparar, exigem que eu esteja lá e acabam por sair da lista de jantares da semana. Mas aquilo ficou-me na cabeça e ontem à hora do lanche (hora a que normalmente começo a adiantar o jantar) lembrei-me de perguntar na página de facebook o que é que achavam deste prato. As respostas não demoraram nada e todas muito positivas. Fiquei convencida. Pelo sim e pelo não, deixei um lombo de salmão a descongelar enquanto fui buscar o Afonso à escola pois nem o pai nem o filho adoram atum como eu.
Chegar a casa, a rotina do costume e pouco depois das 19h30, com a bebé já a dormir, consegui preparar a tal carbonara. 
Como somos marmiteiros, fiz a dose quase a dobrar e fiquei toda contente porque isto rendeu imenso!
Ingredientes para 6:
3/4 do pacote de 500 g de esparguete 
1/2 cebola
1 dente de alho
2 c. sopa de azeite
150 g de cogumelos frescos
3 latas de atum
1 lombo de salmão 
1 pacote de natas
2 gemas
200 ml de água de cozer a massa
sal e pimenta q.b.
queijo parmesão

Coloque o esparguete a cozer em bastante água temperada com sal durante o tempo indicado na embalagem.
Escorra e reserve alguma da água.
Num tacho, deite o azeite, a cebola e o alho picados e leve a refogar até a cebola ficar macia. 
Junte os cogumelos laminados e deixe cozinhar durante 6 ou 7 minutos.
Corte o lombo de salmão aos cubinhos e tempere com um pouco de sal.
Junte aos cogumelos e deixe cozinhar durante 2 ou 3 minutos. 
Junte o atum escorrido e envolva.
Junte as natas e a água de cozer a massa e deixe levantar fervura. Retifique os temperos. 
Numa taça, deixe as gemas e mexa-as com um garfo. Junte ao preparado anterior. Mexa bem e deixe cozinhar um pouco os ovos.  Junte este molho ao esparguete cozido e envolva bem. 
Sirva com queijo parmesão ralado. 

Nota:
Não deve adicionar nenhuma gordura à água de cozer a massa para que assim o molho adira bem. 

E como hoje é dia de festa, deixo um beijo enorme para a Avó Lurdes que apaga 92 velinhas ♥

P.S. Como se vê pela excelente qualidade da fotografia, foi tirada com o telemóvel. Mas o que é que isso importa quando temos tanto Amor num pedacinho de imagem ♥
Desejo do fundo do coração que conte mais uns quantos pois já é a única que tenho. Não há nada como o abraço de uma avó.

07/02/2017

Peitinhos de frango recheados com alheira e grelos

Adoro fotografia. Adoro fotografar. Adoro desfolhar um álbum de fotografias calmamente e reviver os momentos e memórias guardados, muitas vezes esquecidos, naqueles pedacinhos de papel cheios de vida. Sou completamente apaixonada por álbuns antigos, daqueles que têm uma folha de papel vegetal a proteger as fotografias. O meu álbum de fotografias de criança é assim. O meu álbum de casamento é assim. O álbum do Batizado do Afonso também é assim e lembro-me que já não foi nada fácil encontrá-lo.

18/01/2017

Uma espécie de ovos rotos

Longe vão os dias em que tinha tempo para preparar uma receita propositadamente para o blogue. Longe vão os dias em que, ainda que a fazer muita ginástica, conseguia tempo para aqui vir todos os dias e passar pelas restantes redes sociais. Ainda mais longe vão os dias em que conseguia dormir seguido mais que um par de horas e acordava fresca quando o despertador tocava. Mas hoje, que noite após noite acordo vezes sem conta, que me levanto meia a cambalear atordoada pelo sono interrompido, que pego na Maria e a aconchego no meu colo tentando traduzir os seus choros e gestos, dou por mim a namorá-la enquanto a embalo, numa cena de felicidade com a certeza que estes dias passam depressa demais. Às vezes pergunto-me como é possível caber tanto Amor dentro de um coração. 

28/12/2016

Kit Italiano - { E o último Giveaway de 2016 }

E o Natal já passou, junto da família, na casa da aldeia, com a lareira acesa e decorada com pinheiro, azevinho e velas. Nesta altura do ano as paredes da casa aquecem, as lareiras estão acesas o dia inteiro e já não tiritamos quando pomos os pés fora da cama. O acordar é ao som do galo do quintal e o pequeno almoço é composto pelas sobras do Natal que, como manda a tradição, ficam na mesa até ao fim de ano. São dias bons, com a família que muitas vezes só vemos nesta altura do ano. São dias de encontros, de abraços, de mimo, de amor e amizade.

23/12/2016

Gingerbread House e as tradições que não são nossas mas passam a ser ♥

Como qualquer blogger de culinária, o vício dos livros é mais que muito e começa a ser a falta de espaço o maior motivo de contenção. Aliado ao vício dos livros há por aqui também o vício [bom] de oferecer presentes feitos em casa. Daí que haja na estante mais que um livro dedicados ao tema "Presentes para comer". O tema principal é o Natal ou se não é acaba por ter um grande destaque. Como a maior parte destes livros são de autores estrangeiros, em quase todos há uma coisa que se repete e que me andava a "atiçar" há imenso tempo, as Gingerbread Houses, que é como quem diz em bom português, as Casas de Gengibre. Esta é uma tradição americana, em que as crianças fazem e decoram com guloseimas, casas feitas com bolacha de gengibre.
Posts relacionados Plugin for WordPress, Blogger...
blog design by WE BLOG YOU